Contos Eróticos

Conto Erótico – Casada Transa com o Zelador

conto-erotico-transa-zelador-apartamento
Frases Picantes
Escrito por Frases Picantes

Tenho 35 anos, sou casada com filhos, sou baixinha com 1,55m e uma bundinha arrebitada que meu marido não se cansa de elogiar e que gosto de exibir discretamente quando vou à praia, apesar de não usar biquíni fio dental, quando ando meu biquíni entra na minha bundinha e deixo que fique assim algum tempo, com a desculpa de conseguir um melhor bronzeado, tirando um pouco só de vez em quando, apesar de meu marido não reclamar mas na realidade sei que estou sendo desejada pelos homens e isto me agrada e me deixa excitada.

Quando vou à praia sem meu marido deixo o biquíni enfiado na minha bundinha o tempo todo, já tendo recebido algumas cantadas, sem ceder. Quando saio para fazer compras, principalmente sozinha, também coloco um pouco do meu exibicionismo em prática, usando vestidos curtos que realçam meu corpinho, me excitando em saber que estou sendo desejada.

Apesar de meu comportamento ligeiramente exibicionista nunca cedi a nenhuma cantada.

Moramos em uma casa confortável, porém o bairro tornou-se muito violento e resolvemos mudar para um apartamento, por ser mais seguro e prático. Meu marido correu alguns imóveis, levando-me apenas para ver os que lhe agradaram, ou, nos dias em que não podia ir me fornecendo os endereços para que fosse visitá-los.

Em um destes dias, ao chegar no terceiro imóvel, um prédio de porte que já se encontrava praticamente pronto, fui recebida pelo zelador, que se encontrava com as chaves do apartamento a ser visitado. Ao chegarmos no apartamento, entramos pela porta da sala e o zelador foi abrir as janelas e a varanda para que pudesse sentir a excelente ventilação, o que provocou o fechamento da porta e consequente quebra da fechadura, nos deixando presos no apartamento.

O zelador propôs que passássemos para o apartamento ao lado através da varanda, porém tenho verdadeiro terror de altura e disse que não conseguiria. Ele então passou para o outro apartamento e foi providenciar uma escada para que eu descesse. Colocada a escada senti que não conseguiria descer, no que o zelador se propôs a me ajudar. Não aceitei, pois estava com um vestido, que apesar de não muito curto, descendo uma escada deixaria minha bundinha à mostra.

Depois de algum tempo, sem que outra solução fosse dada, resolvi aceitar a ajuda do zelador, que subiu pela escada até a varanda, fazendo uma espécie de concha com o corpo, onde eu desceria alojada e segura. Ao começar a descer, alojada entre os braços daquele estranho, senti sua excitação, pois seu membro estava rígido, encostado na minha bundinha, e com o movimento da descida ele esfregava seu membro em mim. Tamanho era meu medo que não esbocei nenhuma reação, descendo e deixando que ele alojasse seu membro cada vez mais.

Quando estávamos quase no chão ele desceu mais rápido que eu, na intenção de me segurar pela cintura e me colocar no chão, mas sua real intenção era bem outra, pois descendo primeiro pôde vislumbrar minha bundinha, a esta altura com a calcinha enfiada pelos movimentos. Com visão total de minha bunda, segurou-me pela cintura com uma das mãos e com a outra apoiou a popa de minha bundinha, e assim fui descendo. Quando cheguei embaixo a mão que estava em minha bunda já não só apoiava, também fazia carícias. Desvencilhei-me e só então olhei para ele com ar de reprovação sem contudo nada falar. Ele estava rindo e com o membro visivelmente duro, corei e fui embora, apesar de sua insistência para que fôssemos olhar outro apartamento.

Ao chegar em casa passei o dia pensando no ocorrido, e me dei conta de que havia gostado da situação. Quando meu marido chegou perguntou-me minha opinião sobre os apartamentos, contei-lhe então o ocorrido, omitindo o assédio do zelador para evitar confusão, ele então insistiu para que eu fosse ver o apartamento no dia seguinte protestei em vão, pois ele disse que havia gostado do apartamento e queria minha opinião. Pedi que ele me acompanhasse.

Ele disse que poderia me deixar lá e me apanhar 20 ou 30 minutos depois, pois tinha marcado com alguns clientes às 08:00 horas, e assim foi. Pela manhã me surpreendi ao ver que estava me preparando como quem vai a um encontro, tendo colocado um vestidinho curto e solto, meio transparente, que deixava entrever a marca da minúscula calcinha branca, que com poucos movimentos já estava enfiada na minha bunda.

Quando cheguei no prédio fui recebida pelo zelador com um largo sorriso, parecendo que já me esperava, disse que não haviam consertado a fechadura e que hoje iríamos a um apartamento no nono andar, de onde a vista era mais bonita.

Já no elevador percebi que não tirava os olhos de mim, como quem quer me despir com os olhos. Quando chegamos ao apartamento contatei que havia dois andaimes no corredor que dava acesso aos quartos, impedindo a passagem.

O zelador disse que eram dos pintores e que teríamos que passar por cima, pois só estava com a chave deste apartamento. Protestei, alegando que não conseguiria, tendo ele se oferecido para me ajudar. Sabia que ao passar por cima dos andaimes deixaria à mostra minha bundinha, porem mesmo assim topei.

No primeiro andaime ele posicionou-se atrás de mim e empurrou-me, para que subisse, apoiando suas duas mãos em minha bunda, subi sem nada dizer a respeito. No segundo andaime, ao colocar as mãos na minha bundinha, a esta altura totalmente à mostra, não fez força para me empurrar, começando a apalpar e acariciar, protestei, dizendo que não fizesse aquilo, pois era casada e meu marido deveria estar chegando para me apanhar, porém a esta altura já estava excitada e vencida, entregue às carícias do zelador, que já havia levantado meu vestido, segurando meus seios e encostando seu membro em minha bundinha, cedi e comecei a corresponder, rebolando levemente para sentir aquele pênis estranho se esfregando em mim.

Sabia que a esta altura não havia mais como voltar atrás, iria trair meu marido.

O zelador puxou meu vestido pela cabeça, me deixando só de calcinha, tirou também seu calção, me deixando ver seu membro duro, apontando para mim, pude avaliar que era maior e mais grosso que o de meu marido.

Ele elogiou meu corpo, dizendo que não havia dormido pensando em mim, me entreguei e ele colocou-me de costas, com as mãos apoiadas no andaime, segurando meus seios e penetrando-me por trás. Disse-lhe que tínhamos que ser rápidos pois meu marido deveria estar chegando a qualquer momento. Ele movimentava-se como um louco, enfiando e tirando aquele cacete, me puxando ora pelos seios, ora pelos ombros, me deixando alucinada, perdi a conta das vezes que estava gozando com múltiplos orgasmos.

conto-erotico-metendo-por-tras

Quando tocou o celular em minha bolsa, e com ele ainda me penetrando atendi ofegante, era meu marido dizendo que se atrasaria uns 20 minutos, me perguntando por que estava ofegante. Disse-lhe que havia acabado de subir dois lances de escada e desliguei. Continuando com aquela loucura até um gozo final e profundo, que me deixou molinha.

Coloquei minha calcinha e o vestido, o esperma escorria por minhas pernas, e só então pulei o segundo andaime, ajudada pelo zelador que a esta altura já me bolinava descaradamente, examinei os quartos e fiz menção de sair, tentando pular de volta os andaimes, quando fui segura pelo a esta altura abusado zelador, começando mais uma sessão de loucuras, protestei dizendo que não faria mais aquilo, em vão. Lá estava eu de novo entregue àquele estranho.

Desta vez eu mesma tirei minhas roupas para que fôssemos mais rápidos, meu marido devia estar chegando.

Ele disse que queria penetrar minha bundinha, não reclamei, pois sabia que não adiantaria, relaxei para que a penetração ficasse mais gostosa. Ele pediu que eu passasse saliva em seu membro para facilitar a penetração, cuspi na mão para lambuza-lo, porem ele me puxou pela cabeça e me fez engolir seu membro, chupei seu membro que preenchia minha boca, deixando-o pronto para a penetração.

conto-erotico-transa-zelador

Apoiei desta vez as mãos na janela e abri as pernas deixando minha bundinha a mercê do zelador que mais uma vez me penetrou, enfiando até encostar os ovos em minha bunda.

Estava totalmente subjugada, sendo penetrada alucinadamente por aquele zelador quando meu marido chegou e buzinou me chamando. Desceu do carro e olhou para cima vendo meu rosto na janela, sem imaginar o que estava acontecendo naquele momento com sua esposa, que recebia aquele membro enorme na bundinha, gritei para ele e disse que já estava descendo, minha voz estava trêmula.

conto-picante-ilustrado

Saí da janela e fiquei de quatro no chão, como uma cadela, para que o zelador terminasse de me comer, gozamos violentamente com meu marido lá embaixo me esperando. Recompus-me rapidamente e descemos.

Durante toda a descida no elevador ainda fui bolinada pelo zelador, que levantou meu vestido até o pescoço. A porta do elevador abriu no andar de garagem e eu estava praticamente nua, desci para o térreo pela escada, ajeitando meu vestido, o zelador me parou, levantou meu vestido e tirou minha calcinha, colocando no bolso.

linguagem-desejo

Protestei porem ele não me devolveu, fui encontrar meu marido com o esperma escorrendo pelas pernas e sem calcinha. Entrei logo no carro para que ele não percebesse e notei meus joelhos ligeiramente arranhados pela posição da última trepada, disse a meu marido que tinha levado uma queda. Deixou-me em casa, saí rapidamente do carro para que não percebesse que estava sem calcinhas.

Não encontrei mais o zelador, mas tenho saudades das loucuras daquele dia.


E aí, gostou desse Conto Erótico Ilustrado? Deixe seu comentário abaixo 😉

Recomendados Para Você:

RECEBA NOVIDADES POR EMAIL

Coloque seu e-mail abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!

2 Comentários

Escreva um Comentário

X Frases Picantes, Safadas e Provocantes
Para Apimentar a Relação via WhatsApp
» Enviar Frases Picantes! «

"Guia Simples e Prático Para Apimentar a Sua Relação Hoje Mesmo!"

Baixe nosso eBook Grátis

Fechar